Arrependimento

Publicado em agosto de 2016

Ontem eu resolvi limpar o ar condicionado. Ô arrependimento.

Mas era tanta poeira, mas tanta poeira. De onde sai tanta coisa assim, hein? Tudo tão limpinho até abrir o “troço”.

E o “troço” fez logo um barulho estranho. Parecia que eu tava quebrando. Era um aviso para deixa-lo quieto. Só que, teimosa como sou, não ouvi e continuei. Tirei os filtros (acho que é esse o nome) e pensei que tinha acabado.

Engano meu!

Depois que tirei olhei para as “coisas de rodam”. Não sei como é o nome, só sei que giram e que acumulam poeira. E como acumulam poeira! Peguei uma escovinha e comecei a limpar. E a poeira a cair. Eu limpava. E a poeira vinha. Continuava limpando. A poeira não iria me vencer.

E eu ganhei! Limpei tudo! Mas depois de limpar o ar, vem limpar a poeira do chão.  E a poeira espalha. E vai para a varanda, para a sala, para a cortina. E tem que trocar a roupa de cama. E ufa! Ô arrependimento. Tudo ocorreu como um dominó. Algum tempo depois tudo terminado.

Mas o melhor vem depois. À noite quando liguei o ar sem nenhum barulho. Aí sim, noite de sono em barulhos estranhos e poeiras escondidas. E o arrependimento foi embora!

 

Ps. Texto todo em superlativo! (risos)